top of page
  • Foto do escritorGuto Rodrigues

Você conhece o Oracle Linux Virtualization Manager (OLVM)?

Atualizado: 23 de mai.

O Oracle Linux Virtualization Manager é uma plataforma de gerenciamento de virtualização de servidor baseada no projeto oVirt de software livre. Você pode usá-lo para configurar, monitorar e gerenciar um ambiente Oracle Linux Kernel-based Virtual Machine (KVM), incluindo hosts, máquinas virtuais, armazenamento, redes e usuários. Você acessa o Gerenciador através do Portal de Administração ou Portal VM.


O Oracle Linux Virtualization Manager também fornece uma interface de programação de aplicativos (API) Representational State Transfer (REST) ​​para gerenciar sua infraestrutura KVM, permitindo que você integre o gerenciador a outros sistemas de gerenciamento ou automatize tarefas repetitivas com scripts.


Visão geral da arquitetura

Engine


O carro-chefe do Oracle Linux Virtualization Manager é o mecanismo oVirt (engine), que é um aplicativo Java baseado em JBoss executado como um serviço da Web e fornece gerenciamento centralizado para virtualização de servidores e desktops. O mecanismo oferece muitos recursos, incluindo:

  • Gerenciando os hosts Oracle Linux KVM;

  • Criar, implantar, iniciar, interromper, migrar e monitorar máquinas virtuais;

  • Adicionar e gerenciar redes lógicas;

  • Adicionar e gerenciar domínios de armazenamento e discos virtuais;

  • Configurar e gerenciar alta disponibilidade de cluster, host e máquina virtual;

  • Migração e edição de máquinas virtuais ao vivo;

  • Balanceamento contínuo de cargas em máquinas virtuais com base no uso de recursos e políticas;

  • Monitorar todos os objetos no ambiente, como máquinas virtuais, hosts, armazenamento e rede.

A engine se comunica com o serviço Virtual Desktop and Server Manager (VDSM), que é um agente de host executado como um daemon nos hosts KVM. O mecanismo se comunica diretamente com o serviço VDSM nos hosts Oracle Linux KVM para executar tarefas como gerenciamento de máquinas virtuais e criação de novas imagens a partir de templates.

A maioria das tarefas você pode realizar através do Portal de Administração. Além disso, você pode executar um subconjunto de tarefas usando o VM Portal ou Cockpit. Arquitetura do Host

O mecanismo é executado em um servidor Oracle Linux e fornece as ferramentas de administração para gerenciar o ambiente do Oracle Linux Virtualization Manager. Os hosts Oracle Linux KVM fornecem os recursos de computação para executar máquinas virtuais.

Kernel-based Virtual Machine (KVM) e Quick Emulator (QEMU)


Como um módulo de kernel carregável, o KVM:

  • Fornece virtualização completa através do uso de extensões de hardware;

  • Permite que um host disponibilize seu hardware físico para máquinas virtuais;

  • É executado no espaço do kernel e as máquinas virtuais executadas nele são executadas como processos QEMU individuais no espaço do usuário.

O QEMU permite que o KVM se torne um hypervisor completo emulando o hardware para as máquinas virtuais, como CPU, memória, rede e dispositivos de disco.

O KVM permite que o QEMU execute o código na máquina virtual diretamente na CPU do host. Isso permite que o sistema operacional de uma máquina virtual tenha acesso direto aos recursos do host sem nenhuma modificação.


Host Agent e libvirt

O serviço Virtual Desktop and Server Manager (VDSM) é um agente de host que abrange todas as funcionalidades exigidas pelo mecanismo para gerenciar hosts, máquinas virtuais, redes e armazenamento. Toda a comunicação entre o mecanismo e os hosts KVM é tratada pelo serviço VDSM executado nos hosts KVM.

O daemon libvirt é executado como um serviço (libvirtd) em hosts Oracle Linux KVM e fornece uma interface de programação de aplicativos (API) para gerenciar vários hypervisors, incluindo Oracle Linux KVM. O VDSM usa libvirt para gerenciar o ciclo de vida completo de máquinas virtuais e seus dispositivos virtuais no host e para coletar estatísticas sobre eles.

Guest Agent

O Guest Agent é executado dentro da máquina virtual e fornece informações sobre o uso de recursos para o engine. A comunicação entre o Guest Agent e Engine é feita por meio de uma conexão serial virtualizada.


O Guest Agent fornece:

  • Informações, notificações e ações entre o mecanismo e o convidado;

  • O nome da máquina convidada, sistema operacional convidado e outros detalhes para o mecanismo, incluindo endereços IP associados, aplicativos instalados, rede e uso de RAM;

  • Um logon único para que um usuário autenticado no mecanismo não precise se autenticar novamente quando conectado a uma máquina virtual.


Self-Hosted Engine


No Oracle Linux Virtualization Manager, um mecanismo auto-hospedado é um ambiente virtualizado em que o mecanismo é executado dentro de uma máquina virtual nos hosts do ambiente. A máquina virtual para o mecanismo é criada como parte do processo de configuração do host. E o mecanismo é instalado e configurado em paralelo à configuração do host.


Como o mecanismo é executado como uma máquina virtual e não em hardware físico, um mecanismo auto-hospedado requer menos recursos físicos. Além disso, como o mecanismo está configurado para ser altamente disponível, se o host que executa a máquina virtual do mecanismo entrar em modo de manutenção ou falhar inesperadamente, a máquina virtual será migrada automaticamente para outro host no ambiente. Um mínimo de dois hosts de mecanismo auto-hospedados são necessários para dar suporte à alta disponibilidade.


Data Warehouse e Databases


Existem dois bancos de dados PostGres no Oracle Linux Virtualization Manager. A configuração do mecanismo cria um banco de dados PostgreSQL chamado engine. Se você optar por instalar o pacote ovirt-engine-dwh, um segundo banco de dados chamado ovirt_engine_history será criado:

  • O banco de dados do mecanismo (engine) armazena informações persistentes sobre o estado do ambiente Oracle Linux Virtualization Manager, sua configuração e seu desempenho. As informações de histórico de configuração e métricas estatísticas são coletadas a cada minuto.

  • O data warehouse database é um banco de dados que mantem todo histórico de gerenciamento (ovirt_engine_history) e que pode ser usado por qualquer aplicativo para recuperar informações de configuração e métricas estatísticas para data centers, clusters e hosts.

O serviço de data warehouse ( ovirt-engine-dwd):

  • Extrai dados do banco de dados engine, executa ETL e os insere no banco de dados ovirt_engine_history.

Rastreia três tipos de alterações:

  • Quando uma nova entidade é adicionada ao bando de dados engine, o serviço ovirt-engine-dwd replica a alteração no banco de dados ovirt_engine_history;

  • Quando uma entidade existente é atualizada, serviço ovirt-engine-dwd replica a alteração no banco de dados ovirt_engine_history;

  • Quando uma entidade é removida do banco de dados engine, uma nova entrada no banco de dados ovirt_engine_history sinaliza a entidade correspondente como removida.

Os bancos de dados do histórico e do mecanismo podem ser executados em um host remoto para reduzir a carga no host do engine. A execução desses bancos de dados em um host remoto é um recurso de visualização de tecnologia.


Portais de Acesso


O Oracle Linux Virtualization Manager oferece três portais que você pode usar para configurar, gerenciar e monitorar seu ambiente: Administration Portal, VM Portal e Monitoring Portal.

O acesso ao ambiente é feito através do endereço https://ip-ou-fqdn/ovirt-engine/ configurado durante sua implantação.


O Portal de Administração é a interface gráfica de administração do servidor oVirt Engine. Os administradores podem monitorar, criar e manter todos os elementos do ambiente virtualizado a partir de navegadores da web. As tarefas que podem ser executadas no Portal de Administração incluem:

  • Criação e gerenciamento de infraestrutura virtual (redes, domínios de armazenamento);

  • Instalação e gerenciamento de hosts;

  • Criação e gerenciamento de entidades lógicas (data centers, clusters);

  • Criação e gerenciamento de máquinas virtuais;

  • Gerenciamento de usuários e permissões.

A interface da web do Cockpit permite monitorar os recursos de um host KVM e executar tarefas administrativas. O cockpit deve ser instalado e habilitado separadamente. Você pode acessar a interface da Web do Cockpit de um host a partir do Portal de Administração ou conectando-se diretamente ao host sob o endereço https://ip-ou-fqdn:9090

O VM Portal apresenta uma visão abrangente de uma máquina virtual e permite ao usuário iniciar, parar, editar e visualizar detalhes de uma máquina virtual. As ações disponíveis para um usuário no VM Portal são definidas por um administrador do sistema que pode delegar tarefas adicionais de administração a um usuário, como:

  • Criar, editar e remover máquinas virtuais;

  • Gerenciar discos virtuais e interfaces de rede;

  • Crie e use instantâneos para restaurar máquinas virtuais para estados anteriores.

A conexão direta com máquinas virtuais é facilitada com clientes SPICE ou VNC. Ambos os protocolos fornecem ao usuário um ambiente semelhante a um desktop instalado localmente. O administrador especifica o protocolo usado para conectar a uma máquina virtual no momento da criação da máquina virtual.


# Tela 1 A screen abaixo, aparece para o Sysadmin logo após autenticar no VM Portal.


# Tela 2

A screen abaixo, aparece para o Sysadmin logo após clicar em uma das instâncias junto ao VM Portal e nela você terá um resumo detalhado dos recursos provisionados e em uso pelo Guest.


O Portal de Monitoramento abre o Grafana e nele você pode ver os painéis integrados: Executivo, Inventário, Nível de Serviço e Tendências. Você pode criar painéis personalizados ou copiar e modificar painéis existentes de acordo com suas necessidades de geração de relatórios.


A integração do Grafana é habilitada e instalada por padrão quando você executa o engine-setup durante instalação de um gerenciador autônomo ou do Self-Hosted Engine.

OBS: Pode ser necessário instalar o Grafana manualmente em alguns cenários e isso vai depender de sua instalação.

No Oracle Linux, as seguintes terminologias são utilizadas:

Datacenter


O datacenter é uma entidade lógica de alto nível para todos os recursos físicos e lógicos do ambiente. Após a instalação do Oracle Linux Virtualization Manager, um datacenter padrão é criado automaticamente. O usuário pode inicializar um datacenter adicionando um cluster, um host e um domínio de armazenamento.

Cluster


O cluster é um agrupamento lógico de um ou mais hosts Oracle Linux KVM nos quais várias VMs podem ser executadas. Os hosts Oracle Linux KVM em um cluster devem compartilhar os mesmos domínios de armazenamento e precisam ter o mesmo tipo de CPU (Intel ou AMD). Cada cluster pertence a um datacenter e cada host Oracle Linux KVM pertence a um cluster.


As máquinas virtuais são alocadas dinamicamente para qualquer host Oracle Linux KVM no cluster e podem ser migradas entre eles. Mesmo quando um dos hosts estiver indisponível, a máquina virtual pode ser iniciada em qualquer host disponível.

Hosts


Em um servidor bare-metal, após a instalação do Oracle Linux 7.7 (ou posterior), o servidor pode ser usado como o hypervisor Oracle Linux KVM no Oracle Linux Virtualization Manager. Isso significaria que o host é capaz de hospedar máquinas virtuais. Todos os hosts no ambiente devem ser hosts Oracle Linux KVM, exceto o host que executa o mecanismo que é o host Oracle Linux. O Oracle Linux Virtualization Manager pode gerenciar muitos hosts Oracle Linux KVM, cada um dos quais pode executar várias máquinas virtuais simultaneamente. Cada VM é executada como processos e threads individuais do Linux no host Oracle Linux KVM.


Virtual Machine (VM)


As VMs podem ser criadas novas ou clonadas a partir de um modelo existente nos pools de máquinas virtuais. Um pool de máquinas virtuais é um grupo de máquinas virtuais sob demanda que são todas clones do mesmo modelo. O modelo é uma cópia de uma máquina virtual que pode ser usada para repetir a criação de uma máquina virtual semelhante.


Storage


O gerenciador de virtualização usa o sistema de armazenamento centralizado para imagens de disco da máquina virtual e arquivos ISO. Os usuários podem usar o Internet Small Computer System Interface (iSCSI) ou o protocolo FC. Um datacenter não pode ser inicializado a menos que um domínio de armazenamento seja anexado a ele e ativado. Um domínio de armazenamento contém imagens completas de modelos, imagens virtuais, instantâneos de máquinas virtuais ou arquivos ISO.


Network


A seguinte rede de alto nível é recomendada:

  • Use interfaces de rede bond, especialmente em hosts de produção (Sugiro LACP ou Native Bond Active+Backup)

  • Use VLANs para distinguir entre tipos de tráfego

  • Use portas de 10Gb+ para uplink de dados e rede dedicada de 1GbE para tráfego iDRAC, iLO ou BMC

OBS: O host Oracle Linux Virtualization Manager e todos os hosts Oracle Linux KVM devem ter um nome de domínio totalmente qualificado (FQDN). Neste caso, é indicada a configuração dos apontamentos no /etc/hosts do OLVM e KVM Hosts para consulta interna e no seu DNS para acesso externo utilizando a resolução de nomes padrão.

Então é isso meu caro leitor, este foi apenas um resumo da solução Oracle Linux Virtualization Manager (OLVM) e seus componentes integrados, sendo uma boa opção para compor seu portfólio de serviços, data center ou até mesmo suportar seus próprios workloads.

Espero ter agregado em seu conhecimento! =)

Se você quer saber mais sobre essa tecnologia, precisa de suporte ou implantação em seu Data Center, entre em contato com a gente.


Guto Rodrigues | Founder & CEO | NewFront

 

Quer saber mais sobre como implantar essa solução em seu negócio? Entre em contato com a gente!

88 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page